Teatro de Ocupação

Nosso teatro  
| Queremos arrancar   
| Do coração de nosso tempo. 

Como ferramentas
Levamos pouco mais
Que as contradições que nos cercam
E um incansável desejo.

Não somos filhos do espetáculo
Mas da precariedade;
A beleza que almejamos
Não vem do requinte
Mas sim
Do arranjo inusitado das coisas.

Não pisamos palcos suntuosos.
Usamos galochas
E recolhemos nossos aplausos
Nas frestas do mundo,
Em lugares de resistência e vida…

O chão que articulamos
É o mais essencial
Da nossa matéria teatral.

Mapeamos espaços singulares,
Cartografamos circuitos sociais únicos,
Com nossas personagens, enredos,
Figurinos, adereços.

Empenhamos nossas pretensões políticas
nas cenas que erguemos.

Chutamos a porta
Mas não fazemos guerra –
Fazemos festa.